Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Os Amigos de Peniche

por Paula, em 11.04.15

_MG_0697.JPG

_MG_0699.JPG

_MG_0702.JPG

Peniche é uma península conhecida pela prática do surf na praia dos Supertubos; por ser uma vila piscatória com comida maravilhosa associada a essa actividade; pela ilha das Berlengas com o seu Forte de S. João Baptista onde se filmaram algumas cenas do filme “O Conde de Monte Cristo”; pela lindíssima renda de Bilros que a todos encanta; e, entre outras coisas, por alguns episódios ligadas à História de Portugal, como a famosa fuga de Álvaro Cunhal da prisão situada no Forte ou o período do domínio espanhol que ficou marcado por uma expressão que ainda hoje se utiliza, embora de forma depreciativa, e que é a que nos interessa: “Amigos de Peniche!”

_MG_0714.JPG

_MG_0554.JPG

Reza a História, que D. Henrique morreu sem deixar descendência ao trono de Portugal. Por isso, alinhavam-se na sucessão três netos de D. Manuel: Filipe II, Rei de Espanha; D. Catarina de Bragança e D. António, Prior do Crato. Sendo o primeiro mais apoiado pela corte portuguesa, a força logo se fez sentir através de uma entrada via Alentejo, comandada pelo Duque de Alba, tendo o monarca espanhol sido declarado também Rei de Portugal.

Peniche2.jpg 

Inconformado com a situação, D. António Prior do Crato, recorre a Isabel Tudor, de Inglaterra, para que o auxilie na devolução do trono aos portugueses. A monarca inglesa disponibiliza-lhe, então, um exército de 12.000 homens constituído essencialmente por mercenários, sendo que o Prior não sabia disso. Assim, a 22 de Maio de 1589, os penichenses vêem desembarcar na praia do sul o “exército” comandado pelo General John Norris, enquanto Francis Drake seguia por mar, para se situar em Lisboa, aguardando pela chegada, por terra, da tropa desembarcada em Peniche. Esta avançou sem rei nem roque e foi devastando e roubando as terras por onde ia passando.

_MG_0535.JPG

_MG_0517.JPG

Entretanto, os rumores que chegavam a Lisboa, faziam notar que “os amigos de Peniche” estariam a chegar.

_MG_0720.JPG

Chegados à entrada da capital, acamparam no Monte das Oliveiras, sendo que os canhões situados no Castelo de S. Jorge, por ordem de D. Gabriel Niño, começaram a disparar. A surpresa, desta vez, caiu para o lado do Jonh Norris que não estava à espera desta recepção, pois D. António Prior do Crato havia assegurado, por forma a obter o auxílio que buscava, que não haveria necessidade de combater. Consequentemente, o acampamento foi desviado para a Boa Vista e para o Bairro Alto, de onde se retirou para a Esperança, acabando por se refugiar em Cascais e depois partir.

Peniche4.jpg

Dentro das muralhas do castelo, crescia a ansiedade dos “antonistas” que não viam chegar “os amigos de Peniche”. Frustradas as esperanças, os “antonistas” ficaram com a desilusão para sempre ligada àqueles amigos que não tiveram interesse em ajudar os portugueses a recuperar a sua independência, mas antes fazer uma escaramuça para humilhar o reino espanhol.

Peniche3.jpg

Volvidos séculos, a expressão ganhou um contorno mais doce e, agora sim, ligada às gentes de Peniche – que nada têm a ver com a injusta expressão que se lhes cola (ou colou). E mais doce não poderia ser, pois transformou-se num bolo! Os "Amigos de Peniche” são uns pastéis que lembram os de feijão. São feitos com farinha, ovos e amêndoa e podem ser saboreados em qualquer pastelaria de Peniche.

_MG_0570.JPG

Peniche1.jpg

Fica a sugestão para o passeio deste fim-de-semana.  

Boas descobertas!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


No Oeste de Portugal

por Paula, em 04.02.15

IMG_4645.JPG

Igreja Nossa Senhora da Conceição

IMG_4629.JPG

Portugal é um País onde a simpatia do povo, o clima e a boa comida servem de postal mais que ilustrado para quem o visita, mas, também, para nós que cá vivemos. Neste pequeno rectângulo, combinam-se uma miríade de tradições, ou não fossemos nós uma Nação com uma longa História e com uma rica herança de outros povos. Com uma vasta costa marítima, o peixe foi sempre uma constante na mesa e na gastronomia dos portugueses. Mesmo às terras do interior sempre chegaram, ainda que em menor quantidade, o peixe do mar, devido às técnicas de salmoura tão bem desenvolvidas por nós.

IMG_4631.JPG

IMG_4639.JPG

IMG_4640.JPG

IMG_4656.JPG

IMG_4662.JPG

Oeste de Portugal é uma zona onde o campo se encontra com o mar. Este casamento tão duradouro e profícuo, leva a que os seus habitantes beneficiem do melhor de ambos. A  Atouguia da Baleia, terra antiga, foi concedida  por D. Afonso Henriques ao cruzado Guilherme de Corni, pela sua ajuda na conquista de Lisboa, há mais de oito séculos. Há mais de quinhentos anos, viu ali as cortes gerais do Reino.  Teve três forais ao longo da sua história. O primeiro, foi concedido em 1167; o segundo, em 1268; e o terceiro, em 1510, por D. Manuel I. 

IMG_4671.JPG

IMG_5156.JPG

É uma vila onde a agricultura e os serviços predominam, mas que, em tempos, o mar lhe conferiu a importância de um grande porto. Peniche, concelho a que hoje pertence a Vila de Atouguia da Baleia, era então uma ilha e só ganhou importância devido ao assoreamento do Porto da Atouguia, a partir do século XV. Todavia, só no século XVII é que Peniche passaria a vila e ganharia a mesma importância que a Atouguia da Baleia.

IMG_4642.JPG

 

IMG_5265.JPG

IMG_5281.JPG

O porto de Touria, do latim "taurus", boi ou touro em português, deve o seu nome inicial a estes animais devido à sua criação abundante pelos Ataídes. É por essa razão que o Brasão heráldico da Vila de Atouguia contém um touro no seu escudo. Este porto situava-se junto ao castelo de que hoje não restam praticamente vestígios. A Igreja de São Leonardo marca a entrada naquela vila, bem como o Pelourinho situado numa pequena praça. Esta igreja de estilo romano-gótico foi erigida durante o século XII em honra de S. Leonardo de Noblat, um nobre de origem gaulesa que dedicou a sua vida a ajudar os pobres e os soldados. Hoje, a Igreja conta com uma estátua da Rainha Santa Isabel (Isabel de Aragão), esposa do Rei D. Dinis, o "Lavrador", a quem foi concedido o senhorio da vila. Conta a lenda que a Rainha rezava na Igreja de S. Leonardo quando o baixo-relevo se rachou, sendo que o actual, que se encontra em frente ao altar-mor da referida Igreja, foi oferecido a D. Dinis pelos gauleses por este ter resolvido um pleito existente com a Santa Sé e cuja resolução também interessava aos franceses.

IMG_5268.JPG

Igreja de S. Leonardo - Igreja Matriz

IMG_5288.JPG

IMG_5273.JPG

IMG_5262.JPG

IMG_5285.JPG

IMG_5284.JPG

IMG_5333.JPG

IMG_5329.JPG

IMG_5341.JPGIMG_5326.JPG

IMG_5343.JPG

Conta-se que o nome de Touria evoluiu para Atouguia e, mais tarde, para Atouguia da Baleia por ter dado à costa uma baleia de grandes dimensões. Diz-se, ainda, que existia uma terra denominada Baleia e que o seu nome terá sido absorvido pelo crescimento da vila de Atouguia. Por proposta do Ministro Passos Manuel e decreto da Rainha D. Maria II, em 6 de Novembro de 1836, é extinto o concelho de Atouguia ficando incorporado no concelho de Peniche, mantendo-se a mesma como freguesia. 

IMG_5296.JPG

Na Vila de Atouguia podemos ainda visitar a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, de estilo barroco maneirista, obra do grande arquitecto-escultor João Antunes. No largo fronteiriço à igreja encontramos o Touril.  O jardim da Igreja tem ainda um Coreto e um parque Infantil para a pequenada se entreter. Em frente, tem o Café das Arcadas, com o seu estilo retro e uma variedade de bolos e gelados. Já os mais apaixonados por água, mas água calma, podem dar um pulinho ao Centro de Canoagem, na Barragem de S. Domingos, para praticar canoagem ou para ver as aves que por ali vivem, contando, seguramente, com uma luz fantástica de manhã ou ao final da tarde, bem como de paz.

IMG_5306.JPG

IMG_5297.JPG

 Boas descobertas!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D