Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





O Museu do Fado e uma sopa

por Paula, em 18.05.14

 

Fachada do Museu do FadoCorredor no Museu do Fado

 

Hoje celebra-se o Dia Internacional dos Museus. Em Lisboa, as actividades começaram ontem. Por isso, a minha tarde foi dedicada a visitar dois lugares que há muito andava para ver. Um deles era o Museu do Fado – um ícone da cidade e abrigo daquele Património Imaterial da Humanidade.

 

Corredor no Museu do Fado

 

Quem visite o Museu do Fado este fim-de-semana, contará com uma visita guiada e com a actuação de alguns artistas. A entrada para estes eventos é gratuita.

 

Corredor no Museu do Fado

 

Neste espaço, sito no Largo do Chafariz de Dentro, em Alfama, num edifício que inicialmente albergava uma estação de águas, encontra-se o quadro original “O Fado”, de José Malhoa. Agradavelmente acolhedor, convida a ficar e a ouvir o nosso Fado. No corredor que dá para o largo, uma fotografia da Amália marca a entrada. Vêem-se guitarras, lê-se um pouco da sua história, bem como a do Fado, sem esquecer o período da sanção do século passado. Mas, quem desejar entrar, ali mesmo, numa casa de fado, também o poderá fazer, pois o Museu tem uma sala onde reproduz o ambiente daqueles lugares com gravações de vários fadistas de renome a actuar no “Clube do Fado” e não só.

 

Quadro Quadro no Museu do Fado

 

Marcando o património imaterial da cidade de Lisboa desde a sua génese, há 200 anos, conhecer o Fado, quer se goste ou não do género, é quase obrigatório.

 

Caricatura no Museu do FadoCaricatura de Fernando Farinha no Museu do Fado

 

"Cantarei até que a voz me doa"

 

Cantarei até que a voz me doa

Para cantar, canto sempre o meu fado

Como a ave que tão alto voa

E é livre de cantar em qualquer lado

Cantarei até que a voz me doa.

 

Cantarei até que a voz me doa

Ao meu país, à minha terra, à minha gente

À saudade e à tristeza que magoa

Ao amor de quem ama e morre ausente

Cantarei até que a voz me doa.

 

Cantarei até que a voz me doa

O amor e a paz cheia de esperança

Ao sorriso e à alegria da criança

Cantarei até que a voz me doa.

 

Fado cantado por Maria da Fé

José Luís Gordo / José Fontes Rocha

 

 

Cartaz de Revista no Museu do FadoQuadro

 

Para o jantar, nada melhor do que confeccionar uma sopa simples com sabores e ingredientes lusitanos.

 

SOPA DE FAVAS

 

INGREDIENTES

 

1 kg de favas tenras com casca, cortadas em juliana

1 farinheira

2 batatas médias, cortadas em pequenos cubos

1 cebola picada

2 cenouras cortadas em pequenos cubos

½ molho de coentros picados

Água q.b.

Sal e pimenta q.b.

Piso de poejos q.b.

 

PREPARAÇÃO

 

Numa panela, colocar a água e a farinheira com dois palitos em cada uma das extremidades para que não rebente. Deixar cozer. Retirar e reservar.

 

De seguida, juntar os legumes ao caldo da cozedura da farinheira e deixar cozinhar. Temperar com um pouco de sal e pimenta.

 

Servir quente com uma colher chá de piso poejos e pedaços de farinheira.

 

Sopa de Favas 

 

Bom apetite!

Bon appétit!

Jo étvágyat!

Que bos faga bun porbeito!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D