Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Frango com amêndoas

por Paula, em 28.05.14

 

O comboio errado pode levar-nos à estação certa, assim como a lancheira errada nos pode conduzir à pessoa certa. Pode reconciliar duas pessoas com a vida e levá-las numa viagem de (re)descoberta de si mesmas. Uma lancheira pode conter muitos aromas e sabores agradáveis, daqueles que fazem sorrir, viajar e sonhar. Pode, ainda, conter um bilhete para a felicidade ou para uma vida nova. O poder da comida é imenso, mas só toca aqueles que a respeitam.

 

Capa do filma

Créditos da imagem: Medeia Filmes

 

Ila Vaid (Nimrat Kaur), é uma mulher jovem, casada, que tenta combater a indiferença do marido cozinhando pratos deliciosos, inspirados no livro de culinária da sua avó, que seguem no “correio das lancheiras” (Dabawallahs) para o local de trabalho daquele. Ao fim do dia, espera ansiosamente pela sua reacção ao prato ou ao novo ingrediente que a tia, que vive no andar de cima, lhe vai enviando através de uma cesta pendurada na janela. É a sua conselheira e confidente.

 

Créditos das imagens: Medeia Filmes

 

A Lancheira (Dabba), que regressava sempre com uma boa parte do seu recheio, chega, certo dia, vazia. Esperançada, Ila arranja-se para o marido. Perante a mesma indiferença, insiste em saber se a comida lhe agradara. Descobre então que a sua merenda foi parar às mãos de outra pessoa. Decide, a conselho da tia, escrever ao bom garfo que tinha apreciado a sua refeição. A partir daqui, iniciam-se trocas diárias de bilhetes (em papel!) que vão transformar a sua vida que passa a ser temperada pelas críticas à comida que prepara, levando-a a cozinhar ainda com mais gosto.

 

Saajan Fernandes (Irrfan Khan), um contabilista à beira da reforma que vive sozinho, é o destinatário da marmita que Ila prepara. A sua alma será tocada pelos maravilhosos aromas e pelas estórias que lhe vão chegando. É ao sabor dos pratos preparados por Ila que Fernandes desperta novamente para a vida.

 

 

A estória, de uma simplicidade desconcertante, realizada por Ritesh Batra, cativa logo no primeiro momento, transportando o espectador para outra dimensão, sendo que chama atenção para algumas questões sociais relevantes. A banda sonora, essa, entra no ouvido e leva-nos até à Índia. Foi uma noite de cinema que me deixou de alma cheia.

 

 

 

 

FRANGO COM AMÊNDOAS TORRADAS E CUSCUZ DE HORTELÃ

 

Frango com cuscuz e amêndoas torradas

 

INGREDIENTES

 

100g de amêndoas com casca

1 frango cortado em pedaços

Sal e pimenta q.b.

Sumo e raspa de ½ limão

 

2 cebolas roxas cortadas em rodelas

2 dentes de alho picados

1 estrela de anis

1 pau de canela

1 c. de chá de sementes de coentros

1 c. de chá de gengibre em pó

1 c. de sopa de gengibre fresco ralado

1 c. de café de açúcar

80 ml de vinho moscatel

80 ml de água quente

 

Para o cuscuz

1 chávena de cuscuz

1 chávena de água

1 noz de manteiga

Sal q.b.

 

Para o vinagrete

Sal e pimenta q.b.

Azeite q.b.

Sumo de limão q.b.

1 c. de chá de mostarda

1 pitada de açúcar

2 pés de hortelã (só as folhas)

 

PREPARAÇÃO

 

Aquecer o forno a 180.ºC, colocar as amêndoas num tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao forno durante 10 minutos. Depois de arrefecidas, coloca-las num pano e esfregar por forma a soltarem a pele. Cortar as amêndoas grosseiramente e reservar.

 

Temperar o frango com sal, pimenta, gengibre em pó e o sumo de limão. Reservar cerca de 30 minutos. De seguida, numa caçarola larga de cerâmica, colocar o frango com a pele para baixo e deixar cozinhar na própria gordura. Quando estiver bem dourado, virar e deixar que termine de cozinhar. Retirar o frango e reservar.

 

Deitar as cebolas, os alhos, o gengibre ralado, a estrela de anis, a canela e as sementes de coentros na caçarola e deixar cozinhar até caramelizarem. Adicionar o vinho e deixar reduzir.

Juntar novamente o frango, para ganhar um pouco do sabor do refogado e retirar novamente. Depois, juntar a água e deixar apurar um pouco. Rectificar o tempero e reduzir o refogado a um molho espesso com a ajuda da varinha mágica. Passar o molho por passador e colocar numa molheira para servir.

 

Entretanto, aquecer água para fazer o cuscuz. Deitar o cuscuz num recipiente e cobrir com a água quente. Deixar cozinhar por cinco minutos.

 

Noutro recipiente, colocar os ingredientes do vinagrete e emulsionar com a varinha mágica. Rectificar os temperos e deitar cerca de três colheres de sopa sobre o cuscuz, juntamente com a manteiga. Envolver tudo com a ajuda de um garfo e servir.

 

Servir o frango com o cuscuz, as amêndoas e o molho.

 

Bom apetite!

Que bos faga bun porbeito!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D