Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

Numa altura em que a tradição culinária se funde na gastronomia global, é quase imperativo repescar os sabores de outrora. Caseiros. Humildes. Genuínos. Sem nacionalismos ou algo que se pareça; apenas e só pela lembrança do que nos fez.

 

O carapau é um peixe abundante na costa portuguesa. Para além do seu tamanho normal, costumava também ser vendido em tamanhos pequenos, mais conhecidos por jaquinzinhos ou peixe de gato – porque era utilizado para sustento daqueles animais domésticos. Contudo, é pela primeira designação que é mais conhecido, cuja origem, diz-se, está em Sesimbra, uma vila piscatória, estando relacionado com uma faina mal conseguida onde um pescador terá apanhado apenas pelinzinhos – carapaus jovens que lembravam o Ti Jaquinzinho, um artesão de estatura muito pequena. Já a introdução do nome nas ementas dos restaurantes deve-se à fadista Hermínia da Silva que a terá utilizado pela primeira vez na sua casa de fados.

 

Por ser de dimensões tão pequenas, quando é cozinhado as suas espinhas comem-se sem dificuldade. Costuma dizer-se que se aproveita tudo, excepto o rabo.

 

Arroz de tomate malandrinho com jaquinzinhos é apenas um prato tipicamente português.

 

 

INGREDIENTES

(Serve 4)

 

300 g de arroz carolino

300 g de tomate pelado e picado

1 cebola picada

1 folha de louro

1 dente de alho picado

1 ramo de salsa ou de coentros

1 dl de azeite

8 dl de água

Sal q.b.

 

 

700 g de jaquinzinhos arranjados

Sal q.b.

Farinha sem fermento q.b.

Óleo para frigir q.b.

 

 

PREPARAÇÃO

Arroz

1. Num tacho, colocar o azeite, a cebola e o alho e deixar refogar. 

2. Juntar a folha de louro e o tomate. Pode adicionar-se os talos da salsa picados. Temperar com uma pitada de sal.

3. Adicionar o arroz e envolver. Cobrir com a água quente e deixar cozinhar.

3. Quando estiver praticamente cozinhado, juntar a salsa picada e rectificar o tempero.

 

Peixe

Toma-se o peixe arranjado e temperado com sal, envolve-se em farinha e leva-se a frigir em óleo bem quente de ambos os lados. Retira-se e deixa-se escorrer a gordura em excesso num prato coberto com papel absorvente.

 

Bom apetite!

Bon appétit!

Jó étvágyat!

Que bos faga bun porbeito!

{#emotions_dlg.default}

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D