Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





O caldo da Beira Alta

por Paula, em 17.12.12

Fotografia exposta no restaurante "Pedras Lavradas"

 

As Beiras designam um conjunto de três latitudes que servem de fronteira entre o Norte e o Sul de Portugal: a Beira Alta, a Beira Baixa e a Beira Litoral. A primeira, que alguns também designaram de Beira Transmontana, devido às semelhanças com a província que a delimita a Norte,  tem um lugar especial no meu coração porque uma parte da minha ascendência partiu das faldas da Serra da Estrela e, tanto quanto possível, fui crescendo envolta em tradições, comidas e paisagens daquela região.

 

A Serra da Estrela, considerada em 1976 como parque nacional, é o marco supremo da Beira Alta e não apenas pela sua altitude. Caracterizada essencialmente pela pastorícia, o seu produto mais conhecido é o famoso Queijo da Serra, feito a partir do leite de ovelha retirado na primeira ordenha da manhã. Este é posteriormente adicionado à flor de cardo, previamente esmagada num almofariz e colocada numa panela de ferro. Depois de pronto, é enrolado num pano que será mudado todos os dias até o queijo estar curado. Para a sua qualidade contribuem, no processo artesanal, o frio e a humidade que caracterizam aquela região nos meses de Inverno. Para além deste, são também oriundos daquela região o pão de centeio e o aguardente de zimbro. 

 

Parque Natural da Serra da Estrela: 1 - Pedras Lavradas; 2 e 5 - Aldeia de Aguincho; 3, 4 e 6 - Ribeira de Alvôco da Serra

 

Nem só de pastorícia vivem os beirões. As hortas ainda têm importância na subsistência da população local. Delas fazem parte as couves galega e portuguesa. A primeira, planta-se em dezembro ou janeiro, sendo que ao fim de dois ou três meses se poderão recolher as primeiras folhas. Existe durante o ano inteiro e pode ir até cinco anos. A sua folha é mais escura que a da couve portuguesa. Esta, planta-se antes do inverno para ser consumida durante essa estação, sendo que em fevereiro ou março começará a grelar dando início à confeção de outros pratos.

 

Neste regresso às origens, apeteceu-me um caldo tão beirão quanto singelo. Embora nada tenha de requintado ou de elaborado, este caldo é apreciado por todo o País e por quase todas as pessoas. Por mim, não o dispenso.

 

 

 

Caldo-verde

 

INGREDIENTES

 

750 g de batatas

250 g de couve galega cortada em caldo-verde

1 cebola média

5 colheres de sopa de azeite

Sal q.b.

Chouriço fatiado a gosto

 

 

PREPARAÇÃO

 

Descascar as batatas e a cebola e levá-las a cozer em água a ferver. Temperar com sal.

Depois de cozidas, reduzir a puré.

Deixar levantar novamente fervura e juntar a couve galega cortada em caldo-verde. Nessa altura, juntar o azeite.

Servir com uma rodela de chouriço e com broa de milho.

 

 

Se a couve for muito rija, antes de a colocar na panela, esfregá-la entre as mãos debaixo de água corrente para a amaciar ou escaldá-la em água a ferver.

 

Bom apetite!

Bon appétit!

Jó étvágyat!

Que bos faga bun porbeito!

 

{#emotions_dlg.beja}

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D