Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





A Feira das Galinheiras

por Paula, em 16.09.12

 

Feira das Galinheiras

 

Hoje é domingo. É dia de feira nas Galinheiras. Antigamente, muitas manhãs de domingo eram destinadas para ir à feira comprar legumes. Hoje não recorro tanto a ela, mas, uma ou outra vez, gosto de passar por lá. O apelo da feira é algo que só quem as visita percebe. Passeia-se ao ar livre descontraídamente e num pequeno espaço encontra-se uma panóplia  de artigos e de preços.

 

Mas o que realmente me faz ir à feira, num domingo de manhã, é a bancada das bifanas e os produtos hortícolas frescos. Atrevo-me a dizer que a melhor bifana é feita pela equipa do Claudino dos Couratos, ali mesmo na Feira das Galinheiras. Recordo ainda a primeira bancada de madeira e o fogão improvisado que o casal utilizava. Hoje, as várias sacas cheias de pão já cortado continuam a existir, mas o resto foi alterado atendendo às novas regras impostas para estes lugares. De cada vez que lá passo, fico admirada com a forma como aquela senhora mantém a fluidez da saída dos pedidos sem descurar a qualidade da confeção das bifanas ou dos couratos. São excelentes. É difícil comer apenas uma.

 

Claudino dos Couratos - Feira das GalinheirasClaudino dos Couratos - Feira das GalinheirasClaudino dos Couratos - Feira das Galinheiras

 

Aquela é a rua que visito sempre, pois, uns metros mais à frente da referida roulote, existe uma bancada que só tem legumes e frutos da época. Isso agrada-me. Os legumes não têm tamanhos exagerados e exalam um aroma próprio e fresco. Se se quiser um queijo especial ou artigos de fumeiro, aquele corredor é o ideal também.

 

 

O bacalhau, que não sendo nosso é o mais português dos peixes, também marca presença na melhor rua da feira.  E o mesmo poderei dizer do pão, cuja bancada se situa logo à entrada como que a saudar quem chega. Ali se compra pão, com grande qualidade, que se faz de norte a sul do País. O sorriso e a gentileza dos que estão por detrás desta bancada deixam-me com vontade de regressar no domingo seguinte. Deixo a compra do pão sempre para o fim porque me deixa bem disposta e feliz.

   

 

A melhor hora para ir a esta feira é de manhã bem cedo, se se quiser escolher os produtos mais frescos, ou junto à hora do almoço, altura em que os feirantes fazem "promoções" excelentes, reduzindo os preços para escoar o produto que não vendem. Na minha última visita, trouxe dois molhos de espinafres pelo preço de um e, ainda assim, mais barato do que um molho comprado nas grandes superfícies.

 

Em tempos a feira esteve mais apagada. O pulsar dos feirantes e dos clientes não era o mesmo. Agora, parece querer renascer.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Figos Com Queijo Fresco e Mel

por Paula, em 12.09.12

 

Os figos lembram-me sempre um episódio da minha infância em que subi a uma figueira alheia e por lá passei a tarde a comer figos ainda verdes. Tal qual castigo aplicado, o resultado não foi simpático, mas não me fez perder a gulosice que me assalta nesta época do ano.

 

Ontem, desejei imenso comer figos. Passei o dia a torcer para que os meus pais, que desceram a Lisboa, me trouxessem figos serranos.

 

Quando cheguei a casa, os meus olhos ficaram pregados na cesta de verga depositada num canto da cozinha. Animados, falavam-me de todos os outros frutos e legumes que compunham o sortido, mas eu só ouvia a palavra figos. E enquanto os tentava escutar, assaltava o pequeno cesto. :-)

 

  

Esta composição surgiu por acaso. São três ingredientes de que gosto bastante e que utilizo com frequência e, por isso, resolvi juntá-los e fazer uma entrada para o almoço que, noutra variante, poderá perfeitamente ser uma sobremesa.

 

Ingredientes:

(Serve dois)

  • 2 figos
  • 2 queijos frescos
  • 2 c. de sopa de mel

 

Preparação:

  1. Lavar e cortar os figos em quatro gomos. Dispor em dois pratos.
  2. Cortar o queijo fresco e dispor nos pratos.
  3. Regar com o mel.

 

Fica uma delícia! :-)

 

Bom apetite!

Bon appétit!

Jó étvágyat!

Que bos faga bun porbeito!

{#emotions_dlg.beja}

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Strudel de Maçã

por Paula, em 05.09.12

 

Um baile. Noite estrelada. Uma vista para o rio que murmura doces palavras à lua. Doces e genuínas, como esta sobremesa.

  

 

 

Ingredientes:

(para 6 a 8 fatias)

  • 4 ou 6 folhas de massa filo
  • 6 maçãs médias
  • 4 c. de sopa de açúcar amarelo
  • 1 c. de chá de canela
  • 2 c. de sopa de manteiga
  • Mais um pouco de manteiga derretida para pincelar as folhas de massa filo (uso Vaqueiro liquida)
  • Pão ralado q.b. ou amêndoa ralada q.b.
  • Açúcar em pó q.b. para polvilhar

 

Preparação:

  1. Lavar e descascar as maçãs e cortá-las em fatias finas.
  2. Derreter a manteiga e juntar as maçãs e o açúcar.
  3. Deixar ferver em lume brando durante 12 minutos, mexendo ocasionalmente.
  4. Juntar a canela e o pão ralado (ou amêndoa ralada). Envolver e deixar arrefecer.
  5. Num pano, colocar uma folha de massa filo, pincelar com a manteiga líquida e polvilhar com pão ralado. Sobrepor outra folha e repetir o processo até acabarem as folhas.
  6. Colocar o preparado de maçã nas folhas.
  7. Enrolar e colar as pontas com manteiga. Dobrar as referidas pontas laterais e virar a parte lisa para cima.
  8. Barrar um tabuleiro com um pouco de manteiga líquida e levar ao forno aquecido a 175.º ou 180.º por 30 minutos ou até a massa ficar dourada.
  9. Retirar e deixar arrefecer ligeiramente, empratar e polvilhar com açúcar em pó.
  10. Servir em fatias cortadas na diagonal.

 

Esta é uma sobremesa fácil de fazer e que fica sempre bem. Pode usar-se manteiga ou azeite para pincelar as folhas da massa filo, sendo que este último deixa um sabor mais acentuado. Prefiro a manteiga.

 

 

A receita foi retirada do livro de György Hargitai intitulado Cozinha Húngara. Reduzi as quantidades para metade porquanto a receita original dá para 12 fatias.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Coelho com Rebentos de Carqueja

por Paula, em 05.09.12

Campo

 

Que iria ser coelho para o almoço, era ponto assente. Faltava definir como cozinhá-lo. Fomos para a cozinha, num daqueles raros momentos em que conseguimos estar as duas entre tachos e panelas, e deitámos mão ao trabalho. A inspiração chegou num molho de rebentos de carqueja que a minha mãe tinha na cozinha. 

 

O resultado? Um bom momento de culinária caseira, de partilhas e de conversas de todos os dias num ambiente rural que nos transportou para a serenidade de outros dias e nos fez esquecer as correrias que a vida nos impõe.

 

 

 

Ingredientes:

  • 1 coelho partido em pedaços grandes
  • 1 cebola grande cortada em meias luas
  • 2 dentes de alho picados
  • 1 c. de chá de tomilho seco
  • 4 hastes de rebentos de carqueja
  • Flor de carqueja para decorar (opcional)
  • 1 folha de louro
  • Piripíri q.b.
  • Sal q.b.
  • 3 copos de vinho tinto
  • Azeite q.b.

 

 

Preparação:

 

    1. Partir o coelho em pedaços grandes e temperar com sal, piripíri, tomilho, louro, os rebentos de carqueja e o vinho tinto.
    2. Deixe a marinar durante duas ou três horas.
    3. Num tacho, deitar um pouco de azeite e juntar a cebola e o alho. Deixar alourar a cebola.
    4. Juntar os pedaços de coelho e envolver na cebola. Deixar dourar o coelho.
    5. Juntar, em seguida, a marinada. Tapar e deixar cozinhar em lume brando durante 40 minutos.
    6. Verificar a cozedura do coelho e o tempero e, se necessário, deixar cozinhar por mais 10 minutos.
 

 

Este coelho fica maravilhoso acompanhado com puré de batata ou de batatas cozidas e de legumes salteados. É um prato que sabe a lar e a campo. Traz com ele a paz que a cidade nos rouba.

 

Bom apetite!

Bon appétit!

Jó étvágyat!

Que bos faga bun porbeito!

{#emotions_dlg.beja}

Autoria e outros dados (tags, etc)


Salada de Frutas com Erva-cidreira

por Paula, em 03.09.12

Salada de Frutas com Erva-cidreira

 

O Verão chega. Corre. Não tem tempo para ficar. Guardam-se memórias boas num baú para mais tarde. O momento de retirá-las chega depressa. Risos. Conversas de ontem que preenchem o vazio de hoje. E de amanhã.

 

O Verão leva com ele, numa viagem sem regresso, quem connosco o planeou. Não é o mesmo de ontem. Mas os sabores, as texturas que se conheciam e as cores que não se viam e não se sabiam conhecer, ajudam a tornar mais viva a presença de quem falta num almoço de Domingo junto ao mar.

 

Salada de Frutas com Erva-cidreira

Salada de Frutas com Erva-cidreira Salada de Frutas com Erva-cidreira

Salada de Frutas com Erva-Cidreira

 

Ingredientes:

    • 1 Kiwi
    • 1 Banana
    • 1 Maçã
    • 1 Pêra
    • 3 Fatias de Meloa
    • 1 Laranja
    • 8 Morangos
    • Sumo de 2 Laranjas
    • 4 Colheres de chá de Açúcar
    • 6 Folhas de Erva-cidreira picadas
 

Preparação:

  1. Cortar a fruta em pedaços pequenos para uma taça de servir e regar com o sumo das duas laranjas.
  2. Juntar o açúcar e as folhas de erva-cidreira picadas e envolver.
  3. Deixar repousar por 30 minutos e servir em taças decoradas com folhas inteiras de erva-cidreira.

Salada de Frutas com Erva-cidreira

 

A erva-cidreira resulta muito bem nesta salada de frutas saudável e fresca. O seu sabor ligeiramente cítrico torna-a leve, deixando-a, ainda, ligeiramente aromatizada.

 

 

Bom apetite!

Bon appétit!

Jó étvágyat!

Que bos faga bun porbeito!

{#emotions_dlg.beja}

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D